ESTAÇÕES DIFERENTES

"The most important things are the hardest things to say. They are the things you get ashamed of, because words diminish them - words shrink things that seemed limitless when they were in your head to no more than living size when they're brought out. But it's more than that, isn't it? The most important things lie too close to wherever your secret heart is buried, like landmarks to a treasure your enemies would love to steal away. And you may make revelations that cost you dearly only to have people look at you in a funny way, not understanding what you've said at all, or why you thought it was so important that you almost cried while you were saying it. That's the worst, I think. When the secret stays locked within not for want of a teller, but for want of an understanding ear."

Stephen King - "Different Seasons"


Partilhar informação @ estacoesdiferentes@gmail.com

quinta-feira, outubro 23, 2003

Finish every day and be done with it. You have done what you could. Some blunders and absurdities no doubt have crept in; forget them as soon as you can. Tomorrow is a new day; begin it well and serenely and with too high a spirit to be cumbered with your old nonsense. This day is all that is good and fair. It is too dear, with its hopes and invitations, to waste a moment on yesterdays.

Ralph Waldo Emerson
"The young man or woman writing today has forgotten the problems of the human heart in conflict with itself which alone can make good writing because only that is worth writing about, worth the agony and the sweat."

-William Faulkner


Sem tirar nem por...
Mas penso que há mais ainda...
( Pedaços de) Cartas a Sónia II


O mais difícil de aceitar é que as coisas más aconteçam às boas pessoas. O mais complicado é não poder proteger-te efectivamente, é não poder mergulhar em ti até não ter mais nada no corpo para dar, é ser a pessoa que deveria afastar os fantasmas, mas cujo exorcismo é apenas indirecto, se bem que sempre intenso e optimista.

É necessário pensar que existem pessoas que nem isso podem fazer. Que aquela coisa que tanto faz sofrer e contorcer, fazer caras estranhas perante a volúpia, aceitar ciúmes e desconfortos repudiados pela racionalidade está ali, e é uma questão não de lutar por ela, mas simplesmente ceder a uma rendição necessária.

O amor é uma espécie de teoria mal amanhada, constantemente emendada, interpretada e geradora de conclusões tão diferentes entre si, que uma pessoa chega a pensar que alguém anda a usar palavras diferentes para coisas semelhantes. Como uma pedra preciosa tão multilateral e facetada que desenha coisas estranhas na parece ao ser iluminada. E o mais engraçado é que não faz sentido nenhum. Nem se faz obedecer.

Estaca ali. E roda sobre si, fragmentando cada capacidade de resistência como uma onda de calor fervente disparada em feixe estilhaçaria um copo gélido.

quinta-feira, outubro 16, 2003

Sim, lá estou eu novamente.
Mas o que é que querem? Os disparates continuam...
Ainda bem que sou agnóstico, ou a esta altura já estaria triplamente excomungado... o que ainda assim me pareceria uma sorte danada...


Bishop Wants Confession at Schools
Tue Oct 14,10:52 AM ET Add Oddly Enough - Reuters to My Yahoo!

NICOSIA (Reuters) - An Orthodox Bishop has offered to put confession boxes in every Cypriot school for teenagers to seek repentance for their sins.

Whether nabbed smoking or engaging in anything else that would make parents' hair stand on end, the bishop reckons the sanctuary of a confessional on school grounds would soon put teenagers back on the straight and narrow.

"It's an idea which has been conveyed to us and we are looking at it," an education ministry representative said on Tuesday.

The Greek Cypriot education ministry has close ties to the Orthodox Church and several schools already have small chapels. Religion classes are part of the Greek Cypriot school curriculum and focus heavily on Orthodox Christian doctrines.

Athanassios, a bishop from the southern port city of Limassol, is willing to pay for the confessionals, the daily Phileleftheros reported.

But teachers unions' are against the idea. "Children are free to go to church if they wish but trying to force somebody into doing something can backfire," the head of one union said.

The youthful bishop is a popular figure in Limassol. Some years ago his predecessor introduced late morning services on Sundays to give all-night revelers the opportunity to get to church.





Arte é subjectividade, ou então é apenas o que algumas pessoas decidem que seja.
Sim, bem sei que me podem considerar farisaico ou provinciano, ou o que seja, mas a notícia que se segue deixa-me sempre com aquele desconforto familiar que surge quando alguém define critérios de qualidade supostamente objectiva a partir de um juízo puramente subjectivo. Ou seja, define-se a qualidade com critérios à prova de bala com base numa expressão de gosto.

Ou então este pequeno pintor já fez aquilo que Picasso uma vez disse:

"Aos quatro anos já desenhava como Miguel Angelo, mas levei a vida inteira para desenhar como as crianças".

Sinceramente não sei.
Pelo menos o petiz já tem nome para fazer carreira no mundo da arte.
Dante Lamb. Escrita e música contemporânea. Pintura abstracta de génio (sic), dizem eles. Eu cá nem sei o que pensar.

Leiam e investiguem.


Three-year-old's paintings captures attention of galleries and critics

By Jennifer Brice
First Coast News

ST. SIMONS ISLAND, GA -- A local artist is already capturing the attention of galleries and critics. An artist so young his "studio" is made of newspapers that line his parent's home.

Dante Lamb has already created 100 paintings in just two years. He's young artist who's blazing a trail before most even pick up a paint brush.

If you take a stroll into the "Monkey Love Desert Bar and Gallery" in St Simons Island, you'll see all eyes are on a new art show. But to understand the abstract paintings, you've got to meet the boy behind the brush -- Dante Lamb.

"Double Poopsy; that's a good name."

A good name for his new painting says the 3 year old. People are saying the little guy is way ahead of his time.

Brit Figueora owns the gallery and says his work is all technique. Figueroa decided to feature the "Little Picasso's" art in her gallery.
She says his brush stroke is genius.

"It's not your rigid stroke that would be found in a preschooler."

And he naturally picks good color. "I like the white," Dante says as he squeezes out half the bottle.

Art critics are comparing Dante's work to some of the best in the art world. But if you ask Dante, "They're all originals."

And he's not shy to sell. One painting already went for $85 dollars. Not bad for a tot who started out with crayons and chalk says Dante's mom, Aimee Lamb.

"He's kinda snobby now. He won't even do crayons and chalk anymore."

Mom says the talent came naturally. Dante says he just likes to paint.

Some of Dante's art pieces are in the $300 range. Right now his art is exclusively sold out of the "Monkey Love Desert Bar and Gallery" in St. Simons Island.


Created: 10/14/2003 10:38:10 PM
Updated: 10/15/2003 10:16:21 PM
Edited by Jennifer Brice, reporter

segunda-feira, outubro 13, 2003

PARABÉNS MESTRE!

Foi preciso uma vida inteira e uma carrinha lhe ter passado por cima para perceberem que o homem não só sabe escrever, como o faz muito bem, além de ser um fabuloso inventor e contador de histórias.

Este galardão deixa-me, como admirador confesso da obra de King, muito alegre e de alguma forma, reconhecido como leitor e apreciador deste domador de histórias. Quem só vê horror na sua obra, é porque definitivamente nunca a leu.

"It is the Tale, not he who tells it"

Sim, definitivamente.

Abraços!!!



"STEPHEN KING TO RECEIVE NATIONAL BOOK FOUNDATION 2003 MEDAL FOR DISTINGUISHED CONTRIBUTION TO AMERICAN LETTERS
________________________
Best-Selling Author Will Be 15th Recipient of Literary Honor At National Book Awards Ceremony on November 19

NEW YORK, NY (Monday, September 15, 2003) – The Board of Directors of the National Book Foundation (www.nationalbook.org) today announced that its 2003 Medal for Distinguished Contribution to American Letters will be conferred upon Stephen King, one of the nation’s most popular, imaginative, and well-loved authors.

Mr. King has published more than 200 short stories (including the O. Henry Award-winning “The Man in the Black Suit”) and 40 books during a career spanning three decades. He has earned the reputation among readers and booklovers as a genre-defying stylist, vivid storyteller, and master of suspense.

The Medal will be presented to Mr. King on Wednesday evening, November 19, at the 54th National Book Awards Ceremony and Benefit Dinner at the New York Marriott Marquis Hotel in Times Square. Mr. King will deliver a keynote address to an audience of more than 1,000 authors, editors, publishers, friends, and supporters of books and book publishing. The evening benefits the National Book Foundation’s many educational outreach programs for readers and writers across the country.


The annual award was created in 1988 by the Foundation’s Board of Directors to celebrate an American author who has enriched the literary landscape through a lifetime of service or body of work.

The previous recipients are Jason Epstein, Daniel Boorstin, Saul Bellow, Eudora Welty, James Laughlin, Clifton Fadiman, Gwendolyn Brooks, David McCullough, Toni Morrison, Studs Terkel, John Updike, Ray Bradbury, Arthur Miller, and Philip Roth.

In making the announcement on behalf of the Board of Directors, Neil Baldwin, executive director of the Foundation, said, “Stephen King’s writing is securely rooted in the great American tradition that glorifies spirit-of-place and the abiding power of narrative. He crafts stylish, mind-bending page-turners that contain profound moral truths – some beautiful, some harrowing – about our inner lives. This Award commemorates Mr. King’s well-earned place of distinction in the wide world of readers and booklovers of all ages.”

Mr. King will receive $10,000 along with the Medal.

“This is probably the most exciting thing to happen to me in my career as a writer since the sale of my first book in 1973,” Mr. King said. “I'll return the cash award to the National Book Foundation for the support of their many educational and literary outreach programs for children and youth across the country; the Medal I will keep and treasure for the rest of my life.”

With the publication in 1974 of Carrie, his first novel, Stephen King quickly established a devout readership and cemented his reputation as America’s premier horror-writer. Since then and at a pace matched by few others, Mr. King, 55, has worn many hats and has set a number of sales records along the way. More than 300 million copies of his books are in print, including The Shining (1977), Pet Sematary (1983), and Misery (1987); a memoir, On Writing (2000); a six-part novel, The Green Mile (1996); and a fantasy/Western series, The Dark Tower. The fifth installment of that series, Wolves of the Calla, will be published on November 4.

Mr. King’s work has been translated into 33 languages, been published in 35 countries, and has been the basis for more than 70 films, television movies, and mini-series – a Guinness world record. Well known for his philanthropy, Mr. King provides scholarships for Maine high school students, in addition to making contributions to local and national charities through The Stephen and Tabitha King Foundation. He and his wife, novelist Tabitha King, have three children and three grandchildren, and divide their time between Maine and Florida.

In addition to Mr. King’s recognition, the November 19th ceremony will also feature the announcement of the four Winners of the 2003 National Book Awards in Fiction, Nonfiction, Poetry, and Young People's Literature. The highly anticipated list of 20 Finalists in these four categories will be announced at a press conference at 8:30 a.m. Wednesday, October 15.

Updated information regarding the National Book Foundation’s 2003 Gala Awards Ceremony and Dinner, as well as events in conjunction with National Book Month (October), can be found on the Foundation’s website www.nationalbook.org.

ABOUT THE NATIONAL BOOK FOUNDATION

The National Book Foundation is the sponsor of America’s most prestigious literary prize, the National Book Award. The organization promotes the reading and appreciation of great American literature among audiences across the country. The Foundation sponsors a host of programs involving author residencies in New York City public schools, settlement houses, major urban libraries, American Indian reservations, and other under-served communities. Its many educational programs – including the 10-year-old Summer Writing Camp for emerging authors – were recently honored by being designated as Semifinalists for the “Coming Up Taller Awards,” a project of the President’s Committee on the Arts and the Humanities celebrating exemplary programs fostering the creative and intellectual development of children and youth. The mission of the National Book Foundation is to promote the enduring tradition of National Book Award texts, and “literate literacy”: reading, writing and an understanding of “the writing life” for all audiences."
Perceber o olhar de uma mulher que realmente nos quer é como sentir simultaneamente todas as fragâncias, sabores e cortornos dos lugares que nunca quisemos abandonar.
É a consciência de que o mundo está lá. Que pulsa.
É a manifestação de um qualquer deus quando a crença não existe, ou não tem forma.

"Fear of things invisible is the natural seed of that which everyone in himself calls religion."-Thomas Hobbes

Tenho pena de não ter dito muitas coisas na vida.
Esta é uma delas.

Abraços
Gosto muito do trabalho de Kevin smith, que aparece nos seus próprios filmes como Silent Bob.
Adorei o "Dogma" e sobretudo, este inteligente e divertido, mas simultaneamente angustiante "Chasing Amy".

Fica aqui um bocadinho...

I love you. And not in a friendly way, although I think we're great friends. And not in a misplaced affection, puppy-dog way, although I'm sure that's what you'll call it. And it's not because you're unattainable. I love you. Very simple, very truly. You're the epitome of every attribute and quality I've ever looked for in another person. I know you think of me as just a friend, and crossing that line is the furthest thing from an option you'd ever consider. But I had to say it. I can't take this anymore. I can't stand next to you without wanting to hold you. I can't look into your eyes without feeling that longing you only read about in trashy romance novels. I can't talk to you without wanting to express my love for everything you are. I know this will probably queer our friendship--no pun intended--but I had to say it, because I've never felt this before, and I like who I am because of it. And if bringing it to light means we can't hang out anymore, then that hurts me. But I couldn't allow another day to go by without getting it out there, regardless of the outcome, which by the look on your face is to be the inevitable shoot-down. And I'll accept that. But I know some part of you is hesitating for a moment, and if there is a moment of hesitiation, that means you feel something too. All I ask is that you not dismiss that--at least for ten seconds--and try to dwell in it. Alyssa, there isn't another soul on this fucking planet who's ever made me half the person I am when I'm with you, and I would risk this friendship for the chance to take it to the next plateau. Because it's there between you and me. You can't deny that. And even if we never speak again after tonight, please know that I'm forever changed because of who you are and what you've meant to me, which--while I do appreciate it--I'd never need a painting of birds bought at a diner to remind me of."-Kevin Smith, "Chasing Amy"

Abraços

sexta-feira, outubro 10, 2003

Porque não voar?

Voar, porque não voar?
Sair daqui, de mim, passar por cima de tudo
Saltar, ficar sem apoio plantar
Deixar os recortes da terra sem mais estudo

Ouço os gritos da natureza omnipresente
Onde há apatia , cio vida e matança
São dialectos que deixam a vontade ardente
Que incessantemente gritam Avança!
´
Tenho sangue debaixo da pele
os dentes encerrados nos lábios esticados
rogo a quem queira que me vele
mas todos os gritos parecem ignorados


Tenho as memórias recentes em carne viva
Que carcomem a calma e temperança
Vejo a depositária de desejos altiva
Odeio a minha própria esperança

E montados em rasgos de vento cálido
Aparecem os demónios que me deixam pálido
Sorvendo a realidade minha e verdadeira
Deixando-me a querer tudo de outra maneira

Inicia-se o colapso furibundo
As tentativas que não têm resposta alguma
Estou por dentro como por fora, rubicundo
E a minha energia solta, sem aquilo que a arruma



Tenho a razão que a si me chama
Para que entenda que não pode ser tudo entregue
Mas diga-se isso a quem inquieto ama
E ve-se-à que ninguém provavelmente consegue

Deixem-me então voar, porque não voar?
Não ouvir mais nada, nem nada ler ou cheirar
Retirar-me os sabores do desejo maldito
Que à minha consumação permanece interdito
E apenas colher da oscilação do tempo
Aquilo que possa, como nos abandonados pomares
Ser oferecido pela queda de sustento
Do que tu árvore, ainda dispensares


Voar, porque não voar então?
Desaparecer, ser eu estratosfera
Ser rarefeito ou tornar-me monção
Sem voltar em nenhuma Primavera

Deixar as marcas de mim na areia
Para que o mar as abrace, e as apague
E faça desaparecer a forma feia
Para que a nenhum par de olhos chegue

Porque render-me como em queda
Não obsta ao meu orgulho ou identidade
Trata-se de abrir o que o mundo veda
Aceitar a incandescência da verdade
Perceber que todas as acções nascem
De uma única vontade por si mesma dividida
E rir dos esforços que realmente cansem
Porque a melhor paixão é a vivida

Então porque não voar, pergunto eu?
Ser invisível, sem carne ou cheiro
Desaparecer como a paz prometeu
Ser não mais quedo e inteiro

Não posso voar
É o que parece sem dúvida
Porque por qualquer regra estúpida
A paixão não aceitar pacificar
Quero mesmo sem podendo
Exigir o que me vai roendo
E assim apenas para dor poupar
Pergunto eu...
Porque não?
Porque não voar?


Abraços
A minha teoria de que as mulheres se detestam sem razão aparente encontra aqui um argumento de peso.
Um argumento provindo do lado de lá da barricada, o que afasta, espero, qualquer suspeita de misoginia.
É verdade. As mulheres detestam-se.
Mas porquê?

Abraços
Diácona Remédios Strikes Again...

E continua a hilariante saga da beata portuguesa cujo nome deveria ser Irmã Bafio, sem bem que a designação encontrada por eles ainda me parece a melhor: Diácona Remédios
E é comovente o amor que a Diácona tem a esta amiga, continuando a fazer links para a mesma. Parece que tem gosto em ler a tal literatura baixa.
Continuo a defender que este blog só pode ser gozo. Não é possível que tanta cretinice junta seja real.
Mas perante tanta defesa da decência, eu cá pergunto-me. A senhora tem duas filhas... Terão sido geradas por concepção imaculada?
Estaremos na presença de um milagre?
Remeto a resposta para este senhor sábio nestas lides e com certeza capaz de dar uma opinião objectiva.


Abraços
Eu bem digo que os Reality Shows fazem mal...

Uma mocinha chamada Cheryl Tweedy ( que ofensa á maravilhosa personagem do filme Chiken _Run, mas enfim...), membro integrante de um grupo chamado Girls Aloud ( cada vez melhor) parido de uma dessas pragas parecidasás excruciantes operações Triunfo e Ídolos, de nome Pop Stars, pregou um soco numa empregada de W.C. de um clube noturno por não querer pagar pelo conjunto de chupa chupas que acabara de comprar.

Eu bem digo. Uns dão pontapés, outros agridem pessoas na rua.
Os Reality Shows já não são só ridiculamente imbecis, mas parece que são perigosos...

Abraços
Os Dez Passatempos Mais Totós...

Segundo este hilariante artigo, e o meu amor á Banda Desenhada, está explicada a falta de sucesso que tenho com as mulheres...
Caraças, não tenho nenhuma t-shirt do Lanterna Verde... mas deve haver aí á venda...

Artigo não aconselhável a baixos indices de tolerância á ironia.


Abraços
Primo Afastado de Charlton Heston ou Absoluto Imbecil... qualquer uma das identificações serve...

Pois é.
Existem pessoas destas.
Não parece credível, mas eles "andem aí"....
Eu pergunto-me se ele desejasse andar com vários tubos de ensaio plenos de doenças infecto contagiosas, ou seja, outro tipo de armas, se iria igualmente reivindicá-lo como um direito fundamental...



Man Challenges Conceal And Carry Law

Openly displays guns at local malls

Aug 18, 2003 4:10 pm US/Central
(WCCO-TV) A local man is on a mission to get part of the new conceal and carry law thrown out. Bruce Krafft feels it violates his constitutional rights when shopping malls ban guns from their premises.

Krafft has a permit to carry a gun. He's carried his guns in full view on visits to two local malls in the past several weeks, hoping to get a chance to test the new law in court.

Krafft showed up at the Mall of America carrying two guns recently. Concerned shoppers contacted Mall security and he was handcuffed by police. After verifying that he had a permit to carry a gun, they let him go.

"It is a concern to us 'cause it is a concern to the public," said Lieutenant Perry Heles of the Bloomington Police Department. "People aren't used to seeing people walking around in shopping malls and in public with firearms in plain view."

"If I saw me, I would think, oh that is somebody who is exercising his rights," said Krafft. "I am sorry it frightens them. However, a hundred years ago the only people who concealed their weapons were criminals.”

Before the Bloomington incident, Krafft made an armed visit to the Maplewood Mall. The Maplewood police chief is concerned about potential safety issues.

"I am concerned with guns out there and more guns visible that an officer is going to pull up on a situation, and because of the way a person acts the officer may be forced to take action which could involve deadly force," said Maplewood Police Chief Dave Thomall.

The malls have signs posted at entrances banning guns. Krafft says he wants to get arrested so he can make his case against the bans in court.

"Any Mall that tries to deny people their fundamental rights, yes. I will be there."





World Press Photo
Começa hoje.
Toda a gente ao CCB.
É romaria.
Já!

Abraços
Crise no Executivo??? Que disparate...

Hoje no Público, o não demissionário mas demitido M. Cruz mostra a face clara das suas declarações relativas à sua palavra e honra.
De saída, dispara em direcção ao nosso primeiro, e insiste na sua suposta ignorância relativamente ao regime que iria favorecer indevidamente a sua filha.
Não sei o que é mais lamentável.
Se a insistência do ex-ministro nessa questão da honra, quando toda a gente já sabe e já concluiu pela desonestidade do mesmo, se este número de cordeiro sacrificado que, quando já se libertou do jugo, resolve por a boca no trombone e disparar em direcção aos mesmos que haviam garantido a transparência de toda esta situação. Falta de coerência é dizer o mínimo, ao passo que o ressentimento é absolutamente evidente.

Abraços

quarta-feira, outubro 08, 2003

Neste excelente artigo de Amilcar Correia, mais uma denúncia a outro hino à estupidez e à mentalidade bafienta que parece contaminar cada vez mais o país...



As farmácias católicas

Amílcar Correia
A existência de farmácias que se recusam a vender medicamentos como a pílula do dia seguinte ou um dispositivo intra-uterino não é mais do que um atentado às liberdades, direitos e garantias dos cidadãos. Não é minimamente aceitável que este grupo profissional invoque o seu credo religioso, seja ele qual for, para se recusar a vender medicamentos.

Mas foi essa, no entanto, a posição que a Associação dos Farmacêuticos Católicos Portugueses assumiu este fim-de-semana, em Lisboa, no âmbito de um congresso internacional. Luís Mendonça, presidente desta associação de profissionais católicos - fundada em 1955 e com 70 sócios inscritos -, considera que produtos farmacêuticos como um dispositivo intra-uterino constituem um "atentado à vida", pelo que a sua venda se encontra interdita nos estabelecimentos dos seus associados. É "a luz do valor de Cristo e do Evangelho" que separa, nas palavras do dirigente associativo, os profissionais católicos de todos os outros.

Depois da pílula do dia seguinte e do dispositivo intra-uterino, só falta proibir mesmo a venda nestas farmácias de preservativos e das pílulas de todos os dias. A proibição ainda não é um facto consumado só porque a associação está indecisa: "Ainda não decidimos sobre esta matéria, mas não temos deixado de vender [os preservativos], pois há que saber se a liberdade de quem vende se deve sobrepor à liberdade de quem procura".

Temos, portanto, dois tipos de farmacêuticos em Portugal: os que vendem e os que não vendem anticonceptivos. Mas a verdade é que só temos um tipo de alvará. A abertura de um estabelecimento destes, cuja propriedade tem de ser obrigatoriamente detida por um licenciado em Farmácia, é permitida pelo Ministério da Saúde, através do Infarmed, após parecer positivo da junta de freguesia local e tendo em conta um determinado rácio de farmácias por habitante. O que esse alvará prevê é a comercialização de todos os produtos farmacêuticos e afins que se encontrem legalizados no país pelo organismo competente, o Infarmed, neste caso. Nesse alvará, não consta, portanto, a possibilidade de quem quer que seja recusar-se a vender um certo tipo de medicamentos. Nem sequer a possibilidade de venda de escovas de dentes, perfumes ou sapatos ortopédicos (cuja prática se generalizou nas farmácias).

Donde, ou os farmacêuticos cumprem o que determina a autorização que lhes foi concedida pelo Ministério da Saúde ou, pura e simplesmente, declaram objecção de consciência e renunciam ao alvará.

O contrário de tudo isto é esperar pela formação de uma associação de farmacêuticos muçulmanos ou até de partidários de outras crenças que aumente e diversifique a lista de medicamentos interditos. De alguém que se recuse a vender pensos rápidos ou a vacina da gripe. E nem precisa de ser invocada "a luz do valor de Cristo e do Evangelho" para se recusar de todo a venda, quem sabe, do próprio Viagra. E por que não proibir a comercialização do Codipronto, o famoso xarope que contém codeína?"


Amilcar Correia no Publico de hoje.

Depois disto, o melhor mesmo é não comentar. Amilcar Correia já disse tudo, e realmente não há como entender uma alarvidade como esta.
Eu bem me esforço por abrir espaço á religião, mas os gajos não ajudam simplesmente...

Abraços


sexta-feira, outubro 03, 2003

Cartas a Sónia I


Existe uma espécie de frase, repetida uma e outra e outra vez, que se apoia numa convicção quotidiana, e talvez até herdada de dois mil anos de culpabilização cristã.
“A vida não é fácil”.
Existe aqui uma simplicidade desarmante, uma percepção digna daquele epíteto de ideia simples e brilhante, ou é apenas uma forma prosaica e primária de contemplar a finitude das possibilidades?
Sinceramente não sei.
Mas abordo a questão porque ela faz parte do quotidiano. É uma espécie de cartilha diária, cuja leitura é subliminar e vai aparecendo a espaços, como uma tipologia do conceito de marca fatídica. O relativismo pode surgir como causa ilibante, mas penso que já discutimos tanto acerca disso que não vale a pena retomar a questão da legitimidade dos argumentos em favor das dores de cada um.
Não existe um discurso fácil para estas coisas. Talvez porque a sua natureza tenha uma necessária relação com elementos tão complicados como o risco do primeiro beijo ou a consequência da profundidade de uma emoção real na estrutura da alma.
No fundo a questão permanece sempre a mesma. É existencial e questiona sempre os porquês no limiar das forças.
Pegando nas palavras que ouvi ontem, o exercício de fé nunca está reservado para questões cosmogónicas. Pelo contrário. Ainda que agnóstico, e logo imbuído de um senso de fé abstracta e não mais que isso, entendo que ainda assim, a dita professão de fé subjectiva e pessoal é algo digno de um labor árduo e nunca fácil.
No fundo ao falar contigo e imbuir-te de uma esperança visível, parece uma tentativa maléfica de criar-te uma ilusão. O que te poderia fazer zangar, devido a inamovibilidade do dito objectivo.
Pegando um pouco na vertente da comédia, porque lá dizia o Byron, se me rio de algo sério é para não chorar, a verdade é que alguém anda a teimar connosco. Seja porque razão for, pelos recortes das personalidades ou a construção do edifício dos factos, a verdade é só esta. Alguém anda definitivamente a brincar com esta merda. E acha muita piada a esta dançazinha que lá vamos fazendo, com os pés a saltitarem cima de uma qualquer chapa ardente de quereres mal parados e dificilmente compreendidos.
E no fundo as opções não são muitas. Caraças, são até bastante simples. É entoar uma canção por cima da que nos faz supostamente dançar, ou aprimorar os passos. Joanetes e entorces à parte, eu penso que é preferível ir entoando a melodia, sob pena de entoar salmos a um determinismo que sempre mantivemos à parte.
Amar mutuamente é também resistir. É perceber que embora a água tenha correntes contraditórias, o acto de bolinar deve ser esforçadamente natural, como um dever para com a própria entidade. Sim, sorrir em claro insulto e petulância, pegando no cinismo com pinças de meio metro. Resiste-se porque o amor assim o determina, porque a pessoa que vive em meio a essa contenda é aquela que reconhecemos, perseguimos e endeusamos. Sim, porque parte do amor é a construção dos recortes que vimos, em ilusão ou reflexos da carne terrena, entoada em dissertação epidérmica e vocal cheia da confusão própria que é sentir. A ultima abstracção, a musa que derruba um vaso. A trapalhice própria da incredulidade espelhada numa dança mais rápida com a desejo de insaciedade.
Embora eu duvide, os tempos referidos como estáticos e emblemáticos da condição são transitórios. Penso que nunca ninguém duvidou que o amor tem muito mais estações que o ano. E é feito de minutos e horas, que se espraiam em meses de uma busca pouco concreta. Seja pelo sabor dos lábios, a escorregadela portentosa da carne, ou o embalamento das palavras realmente intensas e sinceras.
Não é fácil.
Especialmente por aquilo a que a capacidade de sobreviver está alheia.
Os velhos truques por vezes não resultam.
Mas sempre tiveste uma varinha de condão e sabes perfeitamente que não se desiste nunca porque se quer. É algo mais complexo e maldoso, feito de detalhes que eu aposto que nem sequer se adivinham. E por muito quebrada que esteja a tua lâmina, sempre trespassaste os que se atreviam a chegar mais perto. Fosse qual fosse o sangue que achasses na tua mão. Ainda que fosse o teu, digo mesmo.
Ao achar-me enamorado percebo também esse fenómeno. Os pés estão em cima de gelo, e sopra um vento forte. A minha roupa enfuna-se e lá vou eu. Nada a dizer, nada a fazer, tudo a descobrir, lamentando e rigojizando pela exacta divisão de momentos no mundo que é nosso.
Dizer que nos amamos porque não desistimos é uma falácia. É porque tememos que possa acontecer que reforçamos sempre a ideia contrária. Ainda que o peso seja demasiado, é sempre possível erguer a cabeça para beijar-te. É um acto de resistência, de teimosia. Ou de coacção. Da melhor espécie. Aquela que nasce da confusão que o Amor traz ao livre arbítrio.
Por isso, ainda que agora ( já agora sempre) não saiba exactamente o que hei-de dizer-te, fica a ideia de que ao resistirmos, abrimos espaço para que nos percamos em cada pergunta de pele e voz. Confusos, esperançosos e até mesmo ressentidos, mantemos o punho firme sobre o papel onde se escreve uma coisa diabolicamente complicada porque surge sem palavra ou recorte conceptual, ou seja, na mais estrita e desesperante simplicidade.
O amor está lá.
Resistimos.
Somos nós.
Não saber é ter a melhor certeza. Aquela que assenta na procura que fazemos ambos. Sem fazer ideia de nada que não seja uma tradução a quatro olhos daquilo que aparece como natural antagonista da tal ilusão. Esse contra feitiço tem uma formula simples.
O desconhecimento do destino só torna mais vital a importância da viagem que se faz em conjunto. Pelo menos para mim. Contigo. É a certeza de querer caminhar contigo que invalida qualquer noção de ponto de chegada.
Porquê?
Porque esse já sabemos qual é, e a morte nunca é possível enquanto não se desistir.
E como te disse, não se desiste porque se quer.
É aí que determino amor verdadeiro. Como o nosso. Vive sem nos dar cavaco.


Neste dia, em 1992, Sinead O'connor rasgou uma foto do Papa durante a sua actuação no Saturday Night Live.
Eu concordei, aplaudi, e quanto mais vou sabendo acerca de religião organizada e das suas instituições, mais fácil e indesmentível se torna concluir que fé e religião são coisas absolutamente diferentes.

Abraços
College for the boys?

Parece que o Governo do rigor, da transparência e contenção mostrou o que qualquer idiota com estatuto e poder está autorizado a fazer.
A comprometer as regras, a dobrá-las de dentro para fora, a dar um exemplo de desonestidade e favoritismo perfeitamente inaceitáveis, principalmente para um curso como Medicina, onde as entradas são terrivelmente restritas.
Ou seja, os sacrifícios são para os outros, a frustração de expectativas para os idiotas que têm de ouvir o discurso da contenção, igualmente das vagas para a universidade.
E depois pergunto-me.
A filha do Ministro não tinha notas para Medicina. Se realmente entrar ao abrigo de um regime mal aplicado e distorcido, quem serão os seus pacientes no futuro? Onde está a exigência da excelência para Medicina?
Está no despotismo dos que governam.
Estamos a ser gozados há muito tempo, mas agora acho que chegamos ao limite do ridículo.

Leiam a notícia e abram a boca... ou então encolham os ombros. A mim apetece-me partir alguma coisa...

Abraços

Favor entre ministros
MARIA HENRIQUE ESPADA PEDRO CORREIA *
Uma investigação da SIC, difundida ontem no Jornal da Noite, revelou que o ministro do Ensino Superior, Pedro Lynce, «facilitou» indevidamente a entrada na Universidade da filha de um seu colega de Governo _ o titular dos Negócios Estrangeiros, Martins da Cruz. Ao princípio da noite de ontem, esta notícia estava a gerar perturbação no Governo e um coro de críticas por parte de alguns sectores da oposição. O Bloco de Esquerda prepara-se mesmo para exigir a demissão imediata de Pedro Lynce.

Segundo a SIC, a filha de Martins da Cruz entrou na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa ao abrigo de um regime legal de excepção que permite aos filhos dos diplomatas residentes no estrangeiro entrarem nos estabelecimentos de ensino público portugueses sem se submeterem ao numerus clausus. Acontece que a filha de Martins da Cruz reside já há mais de um ano em Portugal, desde que o pai cessou as funções de embaixador em Madrid para assumir o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros. Além disso, não completou o ensino secundário fora do País _ outro requisito obrigatório previsto na lei.

Por parte do Governo, até ao fecho desta edição, só o gabinete de Lynce reagiu. Para dizer que «o processo foi conduzido de forma justa e dentro da estrita legalidade», Mais: «Estamos a assistir a uma pura tentativa de assassinato político.»

Os partidos que apoiam o Executivo _ PSD e CDS _ remeteram-se ao silêncio. Mas o DN sabe que o primeiro-ministro, Durão Barroso, está a reflectir sobre a situação, que pode tornar-se insustentável para os protagonistas, em particular para Pedro Lynce, numa altura em que milhares de jovens portugueses são impedidos de entrar nas universidades públicas.

REACÇÕES IMEDIATAS. O Bloco de Esquerda reagiu de imediato. Francisco Louçã afirmou que, a confirmarem-se os factos relatados, o BE irá «pedir a demissão do ministro do Ensino Superior». Mas o pedido de responsabilidades não se ficará por aqui. O BE quer ver os dois ministros envolvidos a prestar esclarecimentos na Comissão Parlamentar de Educação. Se não os houver, os bloquistas irão ponderar uma comissão de inquérito a todo o caso. Também o PCP vai chamar com urgência Pedro Lynce ao Parlamento. «Tem de explicar todo o processo», garantiu ao DN o comunista Lino de Carvalho.

Mais prudente foi a reacção dos socialistas. Mas Ana Benavente, da direcção do PS e ex-secretária de Estado da Educação, considerou «inacreditável», «lamentável», e dá uma imagem «muito pobre e muito triste de quem nos governa», ao recorrer a «entorses à lei para privilegiar um familiar». Ana Benavente, que conhece bem o regime invocado, recordou que noutras situações de regresso de diplomatas ao País, nomeadamente no êxodo de Macau, a prática adoptada foi a de deixar os estudantes terminar o ensino pré-universitário no território, já após o regresso das famílias a Portugal, para não perderem o acesso ao regime de excepção. E concluiu: «Não é argumento ter frequentado uma escola estrangeira.»



Dezoito a Medicina não dá para entrar

O último aluno a entrar este ano em Medicina, na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, tem 18,15 de média do 12.º ano. Mesmo assim, é a nota mais baixa dos sete cursos de Medicina existentes em Portugal. Mas esta é uma área onde os muito bons alunos ficam à porta por uma décima. A Faculdade de Ciências Médicas disponibilizou 160 vagas, mais dez que em 2002, ano em que o último aluno entrou com 18,43. Em 2003, as médias baixaram ligeiramente. O curso da Faculdade de Medicina, da Universidade do Porto, com 190 vagas, é o que exige notas de entrada mais elevadas, mais de 18,58.

* Com Céu Neves, João Pedro Oliveira e Susete Francisco

quinta-feira, outubro 02, 2003

Neste dia, em 1955, começava o magnífico e mítico "Alfred Hitchcock Apresenta", na CBS-TV.

Que saudades!

Abraços

quarta-feira, outubro 01, 2003

Enciclopédia do Crime

Para quem se interesse por investigação criminal e documentos acerca dos grandes criminosos ( não políticos) que andaram cá pelo terceiro calhau a contar do sol.
Relatos verdadeiramente impressionantes que nos levam a pensar o que é comportamento dito humano. Chamo a atenção para a secção serial killers.

Abraços
Alguma alma caridosa sabe como é que se resolve este problema com a pontuação e acentuação portuguesa, que o blogger insiste em ignorar?
Volta e meia não são Estações Diferentes mas Esta???s Diferentes, e os meus links parecem escritos em Islandês.
Agradece-se ajuda para a caixa de donativos.

Obrigado
Acho que já estou como o Pedro Mexia.
Vou tentar fugir ao máximo das discussões políticas.

Abraços