ESTAÇÕES DIFERENTES

"The most important things are the hardest things to say. They are the things you get ashamed of, because words diminish them - words shrink things that seemed limitless when they were in your head to no more than living size when they're brought out. But it's more than that, isn't it? The most important things lie too close to wherever your secret heart is buried, like landmarks to a treasure your enemies would love to steal away. And you may make revelations that cost you dearly only to have people look at you in a funny way, not understanding what you've said at all, or why you thought it was so important that you almost cried while you were saying it. That's the worst, I think. When the secret stays locked within not for want of a teller, but for want of an understanding ear."

Stephen King - "Different Seasons"


Partilhar informação @ estacoesdiferentes@gmail.com

terça-feira, janeiro 20, 2015


Sou anti clericalista e agnóstico. Tenho os pés chatos, os dentes e o nariz torto. Sou tão teimoso quão curioso. Há muito que julgo só em último caso. Odeio o relativismo absoluto.  Sou o pior e mais insuportável dos estetas porque só me toca a autenticidade de um todo. Sou dado a melancolias, insuflo o cinzento de dias que não são meus. Rio-me genuinamente do génio de quem faz rir genuinamente. Tenho as mulheres na conta de seres profundamente límbicos mas sem sequer uma ameaça de qualquer sistema. Sou algo de pensador livre, graças aos meus pais, ao padre Gonçalves (por oposição), ao Daffy Duck, Homem Aranha, Professor Baltazar e o Kant. Acho que não se deve dar o peixe, mas não é admissível negar as canas. Retenho uma quantidade parva de informação quase toda inútil. Sou um geek cujo disfarce está cada vez pior. Vou aos limites quando tem de ser e quando, recentemente, os ultrapassei, tive de pagar a justa factura. Sou um crédulo. Coisas da boca para fora não existem. Está dito, existe e responsabiliza. A começar pelos meus disparates. Sou grato, ou tento ser. Sou algo isolacionista. Se me cruzam a linha de gelo, o polo norte é uma espécie de sauna perto daquilo em que me torno. Emociono-me. Sou um sentimentalista ocasional. Um racional teimoso. Um passional por vocação. Pago as facturas da política da verdade, precisamente porque sei que não é possível a ausência da mentira. Gosto de gostar. Sou grato pelo entusiasmo por coisas que teimam em renovar-se. E por outras, feitas por estranhos, mas que afinal me eram dirigidas.

Conclusão, não faço ideia do que se passa durante  maior parte do tempo.
 

Sem comentários: